Ainda não se sabe muito sobre a Covid-19 e, o que se sabe, até o momento, não serve para conter a doença de modo definitivo. O isolamento social foi a única medida que surtiu efeito positivo de contenção da doença nos inúmeros países onde ele foi aplicado. Mas, o que serve para combater a doença é veneno para a economia.

Depois de muitos países titubearem na adoção do isolamento social, caso da Inglaterra (o Primeiro-ministro, Boris Johnson (55), adotou inicialmente o isolamento vertical permitindo o trabalho normal àqueles que não fossem do grupo de risco) o país, finalmente, decidiu pelo isolamento horizontal quando se deparou com estudos que apontavam o enorme número de mortes que o isolamento vertical causaria.

Outro caso é dos Estados Unidos que, por sua vez, também demoraram a decidir pelo isolamento, sendo que esta decisão só foi tomada quando o Presidente Donald Trump (73), sentiu-se pressionado pelo número de mortes que, atualmente, fazem dos EUA o país mais atingido pela Covid-19 e pelos governadores e prefeitos, que já estavam adotando o isolamento, como era o caso em Nova York.

Deste modo, apesar da relutância inicial, todos os países que tiveram grande número de afetados pela Covid-19 seguiram o exemplo da China e adotaram o isolamento social em maior ou menor medida. Ou seja, os países, de uma forma geral, entenderam que para conter a pandemia e salvar vidas, a economia deveria ser sacrificada pelo tempo que durasse o isolamento, já que, ao tomar essa decisão, o consumo das famílias pode cair até 80% e a economia tende a ficar estagnada neste período. 

Comparando o caso chinês com os de outros países que demoraram um pouco mais para adotar as medidas de isolamento social, percebemos que, quanto mais rapidamente as medidas forem adotadas e mais rigorosas elas forem, mais rápido a economia pode voltar a funcionar normalmente.  Também podemos perceber que está sendo regra entre as grandes nações, injetar dinheiro na economia por meio de fundos perdidos, empréstimos e subsídios para pessoas físicas e jurídicas para evitar um desastre maior. Ao todo, os países do G20 vão despejar em seus próprios mercados mais de 5 trilhões de dólares.

Agora, temos um cenário em que a economia chinesa está, há algum tempo, em pleno funcionamento, enquanto os países europeus, muito castigadas pela Covid-19, iniciam o processo de abertura da economia. Os EUA começam a apresentar uma diminuição consistente de mortes, o que faz com que a abertura se torne algo no horizonte próximo para algumas regiões. Esta proximidade com a "normalidade" econômica causou, nos últimos dias, um grande otimismo nas bolsas de valores pelo mundo.

Infelizmente, para nós brasileiros, esse otimismo não deveria nos afetar de modo tão precipitado. O Brasil, embora tenha adotado as medidas de isolamento, até o momento não conseguiu apresentar índices de adesão como outros países. O isolamento em vigor, aparentemente está fazendo o ritmo de crescimento da Covid-19 ser mais lento, mas ainda não conseguiu fazer a curva de infectados baixar. Isto coloca o Brasil em uma posição bem desconfortável porque, ao observar o mundo tentando superar a paralisação econômica, aumenta a pressão para que o Brasil faça o mesmo, o que é extremamente arriscado já que até os países que estão reabrindo o comércio, o fazem com muito receio de uma segunda onda de infecções. No caso brasileiro, se sairmos do isolamento antes da hora podemos perder o controle da doença e ver os números voltarem a crescer de modo alarmante.

Os números para a economia são, sem sombra de dúvida, terríveis até para os países que estão saindo do isolamento. Temos que ter em mente que, se sairmos da quarentena de forma precipitada, podemos ter que voltar a adotar medidas rigorosas de isolamento nos próximos meses. Para a economia, isso coloca o Brasil caminhando de um cenário ruim no momento para uma grande catástrofe no segundo semestre.

 

Luiz Felipe Krehan

Professor

Bolsas de valores