Uma notícia com sabor de vitória: a Prefeitura divulgou no Diário Oficial da Cidade a lista de profissionais de saúde que foram aprovados em concurso público para preenchimento de vagas na rede municipal. Na relação de convocados constam cinco obstetrizes, das 20 vagas previstas para essa carreira.

Foi uma demora de seis anos, desde a realização do concurso. Nosso mandato, junto com os movimentos pelo parto respeitoso, se empenhou e o governo do então prefeito Fernando Haddad reconheceu a carreira de obstetriz, incluindo-a no quadro de profissionais de saúde que prestam serviços na rede municipal.

Era uma antiga reivindicação das obstetrizes, profissionais responsáveis por realizar partos de baixo risco e atendimentos pré-natal. O único curso de formação existente no Brasil é da USP, no campus da Zona Leste.  

No concurso de 2016, eram para ter sido nomeadas as 20 obstetrizes. Apesar de homologado, a gestão Doria/Bruno Covas ignorou o chamamento.

Agora, nosso mandato vai questionar diretamente o secretário Municipal de Saúde, Luiz Carlos Zamarco, para saber como e quando serão realizadas as chamadas dos demais 15 classificados naquele concurso.

Mesmo porque, o ex-secretário de Saúde, Edson Aparecido, havia se comprometido em convocar as 20 obstetrizes, chamando-as de cinco em cinco.

Autoria
Juliana Cardoso - Vereadora da cidade de SP. De origem indígena, nasceu e foi criada na periferia da Zona Leste. Iniciou sua militância nas Comunidades Eclesiais de Base, na Pastoral da Juventude. Seu mandato é um instrumento da luta dos movimentos sociais e sindicais com a defesa dos interesses das trabalhadoras e dos trabalhadores. Atua em várias frentes como o fortalecimento do SUS, a luta por moradia digna, a defesa dos direitos das mulheres e integra a Brigada pela Vida de São Paulo.
Artigos publicados