A Rede Globo de Televisão continua colocando em prática seu objetivo de não renovar mais contratos com suas grandes estrelas. Dois novos nomes importantes para a emissora e para o público entraram, neste mês, para a lista: na área do entretenimento, depois de 32 anos na casa, Fausto Silva, o Faustão, informou que não renovará o seu contrato, que acaba em dezembro; e no jornalismo, Tino Marcos, da área do esporte.

No caso de Faustão, o apresentador pegou todo mundo de surpresa ao confirmar a notícia ao colunista do Portal R7, e amigo pessoal, Flávio Ricco. “A Globo propôs a ele um programa às quintas-feiras, à noite, mas ele não aceitou. Faustão disse que entendeu que o ciclo de 32 anos havia se encerrado”, disse o colunista. Faustão, no entanto, revelou que estará aberto ao mercado. “Se ninguém me convidar para nada, vou pensar na minha vida”, disse. Já o repórter esportivo, Tino Marcos, com 35 anos de casa, preferiu aposentar-se.

O fato é que, nos últimos cinco anos, houve uma significativa mudança de relação contratual com os profissionais que trabalham na Rede Globo. Medalhões como Vera Fischer, Miguel Falabela, Malu Mader, José de Abreu, entre outros tantos, chamaram a atenção.

Analistas da TV dizem que a Globo concluiu que é chegada a hora de investir mais no volume de produção e na variedade de temas, do que insistir com um modelo de contrato e de programação fixos. Dentre os, aproximadamente, 1.400 contratos vigentes desde 2013, cerca de 200 foram cortados, segundo informou o UOL.  As áreas que mais sofrerem foram a dramaturgia (com a renovação de escritores) e no elenco de artistas. Todos com pagamentos 40% menor. Evidente, que o fator financeiro também pesa, mas a Globo percebeu também que, de uns anos para cá, os telespectadores estão mais exigentes com a programação e assistindo quando e como quiser a sua própria grade e, sobretudo, sem mais aquela uniformidade padrão que tornou a Globo famosa.

Neste cenário, a Globo identificou a Netflix como sua grande concorrente na produção de streamings e decidiu por renovar sua programação, focar na produção de conteúdo e, consequentemente, renovar a forma de contratação do elenco. Uma aposta arriscada, já que a saída de nomes de peso pode, de um lado, aliviar na folha de pagamento, mas, de outro, certamente, trará perda substancial de patrocinadores e de receita.

Mais saídas virão por aí.

Bolsas de valores