Neste Dia dos Professores e das Professoras, a melhor homenagem que podemos prestar a esses profissionais tão fundamentais é continuar lutando para defender, preservar e valorizar a nossa profissão, num cenário de tantas dificuldades e desafios.

Professoras e professores são portadores do mais importante legado da humanidade: o conhecimento. Representam o fio condutor da cultura, da memória, da continuidade e do desenvolvimento da sociedade humana. Se a educação é a ferramenta do progresso social, são os professores a sua alma e a sua essência.

Neste momento de pandemia, nossa categoria foi confrontada com o grandioso desafio de dar continuidade ao processo ensino-aprendizagem nas condições mais adversas. E respondeu a esse desafio com compromisso e profissionalismo. Mais que isso, com amor. Aquela amorosidade que Paulo Freire nos ensinou que é própria da educação e dos educadores.

Sim, sofremos abusos por parte de governos que não tem nenhum compromisso com a educação pública e com os direitos dos estudantes e daqueles que fazem da escola pública o seu local de existência como profissionais e como cidadãos dedicados a construir o futuro, que são os profissionais da educação. Mas resistimos e reinventamos nosso relacionamento com nossos alunos e com a comunidade escolar.

Hoje a educação e os educadores são alvos de retrocessos e ataques sem precedentes. Alguns nos chamam de doutrinadores porque não aceitamos transmitir a nossos alunos o pensamento único que pretende perpetuar na mente dos filhos e filhas da classe trabalhadora uma história de conformismo e subalternidade. Querem nos tirar a liberdade de ensinar porque insistimos em respeitar e promover a diversidade e o direito à diferença nas nossas escolas. Querem nos amordaçar para que não continuemos a incentivar em nossos alunos a pesquisa, o questionamento e o debate, que são essenciais na construção do conhecimento.

Mas a força que nos move é maior que todos os obstáculos. Se nossos salários são baixos, nunca deixamos de lutar por valorização e remuneração compatível com nossa formação, como fizemos constar no Plano Nacional de Educação e no Plano Estadual de Educação. Se as condições de trabalho são deficientes, estamos sempre a exigir que melhorem. Se nos tiram direitos, estamos sempre nas ruas e nas mídias para denunciar e buscar o apoio da população para uma causa que nos transcende, que é efetivação do preceito constitucional que assegura educação pública, gratuita, inclusiva e de qualidade para todos e todas.   

É assim, aguerridos e com os olhos postos no futuro que celebramos este dia 15 de outubro, conscientes do nosso papel e responsabilidade social.

Parabéns, Professores e Professoras!

Autor
Maria Izabel Azevedo Noronha, é Deputada Estadual pelo PT; Membro da Comissão de Educação e Cultura da Assembleia Legislativa de São Paulo; Líder da Bancada do Partido dos Trabalhadores na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo; Presidenta do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (APEOESP); Graduada em Letras pela Universidade Metodista de Piracicaba (1985), com mestrado em Administração Educacional pela mesma instituição. Foi Secretária Geral da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE);
Artigos publicados